Buscar
  • Ibbn

“REUNIR-SE NO TEMPLO”

Por Pr. Carlos Henrique - Mensagens Diárias de 23/04/2021

Vivemos tempos de exceção provocados por esta pandemia. Muitas atividades que faziam parte de nossa rotina de vida foram interrompidas em virtude dos decretos com medidas restritivas visando conter a disseminação da COVID-19. Entre essas medidas está a proibição das atividades religiosas nos templos. Não vejo isso como perseguição religiosa, mas sim como proteção à vida. Até porque não foram apenas as atividades religiosas que sofreram restrições e, vemos, também, que quando os indicadores do sistema de saúde melhoram, as atividades nos templos voltam a ser permitidas, desde que cumpridas as medidas de segurança sanitária.


Nós devemos seguir as orientações legais. Quando mandam suspender as atividades nos templos, devemos cumprir e aproveitar quando elas são permitidas, seguindo os protocolos de segurança sanitária.


Para mim, o grande perigo está em os membros acharem que uma igreja não precisa se reunir presencialmente e que bastam os cultos virtuais. Os cultos virtuais são uma bênção nestes dias, mas limitam a participação dos membros das igrejas no uso dos seus dons espirituais, permitindo que apenas alguns privilegiados possam usar seus dons e habilidades para servir ao Senhor e abençoar outras vidas.


O fundamento bíblico para a igreja é exatamente o ajuntamento. Pessoas salvas e batizadas que se reúnem para cultuar a Deus e servir uns aos outros com seus dons e talentos. Vejam como se comportaram os primeiros cristãos assim que Jesus voltou aos céus. São atitudes que percorrem a história da igreja cristã e permanecem até os dias de hoje. Lucas descreve a igreja assim:

“Os que aceitaram a mensagem foram batizados, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas. Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em casa e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos” (Atos 2:41-47).

Portanto, não vamos deixar que as medidas de exceção, necessárias em alguns períodos da pandemia, mas que impedem o ajuntamento dos salvos em Jesus Cristo, se tornem um padrão aceito por muitos membros das igrejas, achando que não há necessidade dos cristãos se reunirem nos templos para adorarem a Deus e servirem uns aos outros com seus dons e talentos.